quarta-feira, 3 de outubro de 2007

Espécie de peça de teatro em 5 voos – 1.º voo

Nota aos espectadores: se a peça não for grande coisa,
voltem para a semana que isto só acaba por essa altura.

Chega ao trabalho um pouco mais cedo do que os outros. Sai da garagem, sobe a pé até ao rés-do-chão e entra no edifício. Chama o elevador. Enquanto espera, reconhece ao longe os passos da colega do 5.º andar e fica nervoso. Dizem em coro: "Bom dia!", ele mais alto que ela. As portas do elevador abrem-se.
(As cortinas também.)
Ele dá-lhe passagem para entrar no elevador, mas precipita-se de seguida: carrega no 5 e no 6 ao mesmo tempo e a colega olha-o surpreendida por ele saber o seu andar. Sobem muito bem sozinhos, mas o elevador pára logo no 1.º. Entra um colega que murmura: "Bom dia!" como quem deseja que seja mau. Carrega no 2 e o elevador pára outra vez. Quando as portas se voltam a fechar, a colega comenta: "Há pessoas que não sabem usar as escadas!" e ele ri-se mais do que necessário.
Voam sem parar no 3.º. Nem no 4.º.
No último segundo, ele lembra-se de uma resposta. Arrisca: "Se calhar não sabem onde ficam!". Ela sorri cordialmente e despede-se. O elevador aterra finalmente no 6.º e ele regressa ao mundo. As portas fecham-se.
(As cortinas também.)

4 comentários:

NoKas disse...

PALMASSSSS!!!!!

hbandarra disse...

Eu comprei um bilhete para a estreia (para todos voos escritos e não escritos). Posso ter um autógrafo da autora?

pessoana disse...

Ó amigo, a autora já morreu há anos!!! Esta peça é para aí do século XVII!

(Veja lá a visionária que a tipa não era para meter elevadores e tudo! Espectáculo!)

hbandarra disse...

Ena, fui engrupido! E olha que nessa altura também não se voava: Quanto mais 5 vezes seguidas. Essa autora deve ter asas!