segunda-feira, 11 de junho de 2018

Lançamento da antologia dos Jovens Criadores

Foi bonita a festa! Ontem, na feira do livro de Lisboa, lançámos ao mundo a antologia dos 21 anos dos jovens criadores.
Quem quiser, que a apanhe! É um calhamaço de juventude e criatividade.


Da esquerda para a direita: a editora da Penguin Random House Eurídice Gomes, o jovem criador José Trigueiros, o fundador do Clube Português de Artes e Ideias, Jorge Barreto Xavier, e o jovem criador Tiago Patrício.


Alguns dos 21 autores andaram por lá a beber tinto, a falar de criações artísticas e humanas, a autografar uns exemplares e a apanhar chuva.
Foi um momento amarelo-torrado. Tão bom!


A antologia vista de frente.



A antologia vista de costas.


A antologia vista por dentro.

terça-feira, 5 de junho de 2018

Primeiro o silêncio

Primeiro o silêncio.
Depois um estalido.
E um pedaço de vento.
E depois nada.
Outra vez o silêncio.
Um grilo. Outro grilo.
Um pio. Uma coruja.
Um murmúrio de água. Talvez um rio.
De vez em quando um sapo. Um ramo. E depois um burburinho.
Um sino. Um rumor. Um clamor. Vozes. Gargalhadas. Espalhafato. Balbúrdia. Palmas.
Um acordeão.
Um berro. Dois berros.
Uma buzina. Uma campainha. Uma sirene.
Um ronco. Um estrondo.
E de repente um apito. E logo a seguir um grito.
Urros. Sussurros.
Passos.
Novamente um burburinho. Estalidos.
Um espirro. Um cochicho. Um suspiro. Um bocejo.
E mais nada.

sábado, 2 de junho de 2018

Um muro até ao ponto de fuga


E então virámos a esquina - eu, os meus óculos escuros e o meu filho - e fomos dar a um muro vermelho, aos quadradinhos. Um muro de tijolo que era uma rua inteira. 
Uma linha sempre em frente até ao ponto de fuga.
Passou-nos logo a leveza. 
Um muro é um assunto sério. Especialmente aquele, tão completo, tão alto, tão longo. As dimensões soube-as depois, na net: seis metros de altura e quase um quilómetro de comprimento.
Era o muro da prisão de Saint-Gilles.
Do lado de lá, os prisioneiros. Do lado de cá, eu, os meus óculos escuros e o meu filho.
Um silêncio estranho naquela rua que era um muro. Só os meus passos e as rodas do carrinho.
Depois, devagar, um clamor de vozes. Urros ao longe, do lado de lá.
Eram os prisioneiros. Estavam no espaço exterior, a fazer não sei bem o quê. Talvez desporto. Um pensamento esquisito: os tempos livres dos homens sem liberdade.
Eu e os meus óculos escuros ficámos a ouvi-los. O meu filho não. O meu filho dormia à sombra do muro que era uma rua. Uma sombra fresca, é bem verdade. 
Eu e o meu filho cá fora, os prisioneiros lá dentro. Nós livres, eles presos. Todos nós vigiados, monitorizados, condenados. Mas não da mesma maneira.
O sol lá em cima, desinteressado destas coisas da justiça e liberdade. O sol boçal e selvagem, sem cultura, sem cortesia. Não muito diferente deste meu filho, ignorante da sua liberdade. O meu filho analfabeto e inexperiente, de chupeta amarela.
E então eu e os meus óculos escuros pensámos neles. Nos homens punidos. Atrás do muro, atrás das grades. Porque também eles eram filhos de alguém. Também eles eram amados. Um dia também os criminosos terão sido meninos. E antes disso, bebés. Teriam, todos eles, uma mãe. E essa mãe, durante uma época, terá cantado canções de embalar e batido palminhas sempre que eles faziam cocó. Um cocó muito bonito, aliás, amarelo-mostarda, cheio de esperança e fantasia. Um cocó que nem cheirava a cocó. E essa mãe limpava o rabinho do filho e encontrava satisfação naquela tarefa de limpar aquelas nádegas minúsculas, que eram do seu filho, claro, mas também eram suas. Conhecia os esconderijos da pele. Era preciso levantar os pequenos testículos para limpar o cocó amarelo-mostarda. 
Nessa época, mãe e filho eram ignorantes e patetas. Desconheciam o futuro. Mãe e filho não sabiam que a vida lhes traria um muro até ao ponto de fuga.
Eu e os meus óculos escuros pensávamos nisto e perguntávamo-nos se um dia esta minha cria, de chupeta amarela, haveria de cometer um crime imperdoável. Se haveria de sofrer um castigo daqueles. E considerámos que sim, era possível. Imaginei-o colérico, revoltado. 
No início estranhei-o um pouco. O meu filho desobediente. Usurpador. Corrupto. Violador. Mas logo a seguir continuei a amá-lo. Porque não? O meu filho imperfeito. Delinquente. Assassino. Pedófilo. E achei que todos os seus crimes também eram meus. Porque o seu rabinho de bebé também era meu. E todo ele era meu. Por isso, aceitei aqueles delitos.
Fiquei a imaginar esse criminoso. 
De todas as transgressões, prefiro o crime político, claro. O meu filho idealista, visionário, mártir. A acreditar em qualquer coisa. Sempre.
Já a mãe de um criminoso não deve acreditar em grande coisa. Ainda assim, acreditará certamente no seu filho, o pequeno analfabeto de chupeta amarela.
Deve ser isto o amor de mãe.
Uma prisão perpétua de anuência e devoção.
Um muro de tijolo e carinho até ao ponto de fuga.

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Antologia 21 anos de Jovens Criadores

Estou tão feliz por fazer parte disto. É que eu nunca faço parte de nada. Ando sempre para aí largada, com esta figura de urso solitário e, de repente, vejo-me aqui rodeada de ursinhos muito fixes.
Já anda por aí a antologia que celebra os 21 anos de jovens criadores com textos de 21 outrora jovens criadores.




A primeira vez que ouvi falar nos jovens criadores foi no ano 2000. O Tiago Ribeiro Patrício usava barba e cabelo comprido. Emprestou-me a coletânea desse ano e eu li um conto do Valério Romão que, durante uns tempos, me tirou o sono e o ânimo. A primeira vez que li Ondjaki foi numa coletânea dos jovens criadores. Uns anos mais tarde, quando li o conto da Marlene Ferraz, fixei esse nome. Na primeira vez que fui selecionada, o João Tordo fazia parte do júri. Nessa coletânea também estava o José Júlio Trigueiros com uns minicontos hilariantes. Já estive em várias coletâneas com o André Murraças, mas nunca conheci o André Murraças. Na Mostra de 2012 conheci a Inês Bernardo. Lembro-me bem do seu conto áspero. Também me lembro do conto angustiante da Andreia C. Faria em 2013. E agora estamos aqui todos juntinhos nesta antologia. O meu conto, coitado, enfim, whatever, tem uns problemas de consciência. Mas há grandes pérolas nesta antologia. Por exemplo, o conto do Jorge Vaz Nande. Ou o conto da Teresa Bairos que dá o título à antologia. Ou as "histórias muito curtas" do José Mário Silva. Eu gosto à brava de estar ao lado destes nomes todos e também dos outros ursos criativos que eu tanto admiro: a Joana Bértholo, o José Luís Peixoto, o Bruno Vieira Amaral, o Ruy Narval, o Bruno Martins Soares, a Margarida Vale de Gato, o Miguel Marques e o Rui Costa.
Ah! O lançamento é a 10 de junho, dia propício a atividades criativas. Eu vou! Venham também. Vá lá! Não sejam assim.

terça-feira, 15 de maio de 2018

Eu sou, eu sei

Uma novidade bem fresquinha: novo livro já disponível na loja do Planeta Tangerina e em livrarias plim!


Tudo sobre ele: https://www.planetatangerina.com/pt/loja/livros/eu-sou-eu-sei.
E agora deixem-me que vos diga: este livro veio tão sem querer e com tanta vontade!
Há uns tempos escrevi um poema meio snif, meio vrum. Estava com o meu filho ao colo, pasmada com este grande mas, este grande mais. O meu filho tão pequenino e tão cheio de ânimo. Eu toda ai, ele todo ui. E então escrevi um texto muito tímido e monossilábico a que chamei: "Eu Sou, Eu Sei". Depois, um pouco ao acaso, a Madalena Matoso, essa pessoa tão sol e tão som que eu admiro tanto, tropeçou nesse poema e deu-lhe céu e chão, pé e mão. Fico toda tic e tac com isto. É um livro tão choc, tão cor, tão lá! Veio um pouco ao acaso, é verdade, mas com muita força. Espero que gostem dele. Eu cá estou completamente splash.
A vida tem coisas muita plim!

segunda-feira, 30 de abril de 2018

Vira e mexe


Vira e mexe
Sobe e desce
Entra e sai
Tropeça e cai
Esfrega e limpa
Tosse e espirra
Olha e vê
Lê e relê
Faz e refaz
Leva e traz
Veste e despe
Vai e vem
Corta e cola
Gira e roda
Grita e chora
Enrola e rebola
Corre e salta
Rosna e ladra
Come e dorme
Toca e foge
Tira e põe
Abre e fecha
Canta e dança
Pára e escuta
Avança e recua
Usa e abusa
Puxa e empurra
Toma e embrulha
Lava e descasca
Ata e desata
Liga e desliga
Desenha e apaga