quarta-feira, 1 de agosto de 2007

Agosto

Entre, entre, Senhor Agosto, muito gosto, sente-se aqui neste encosto que eu ando bem coxo, o que o traz a este posto, belo cachopo, espero que seja o ar de Agosto e o fogo posto no corpo dos moços, venham inglesas mete-nojo com cinturinhas pele e osso, venham 40 graus e postas de bacalhau, haja grilos e mamilos tranquilos que eu ando farto disto, quero o povo em alvoroço e biquinis de mau gosto, que em Agosto é tudo nosso, não há desgostos nem impostos, só azeitonas sem caroços, pernas ao léu de tirar o chapéu e o resto é céu estrelado, um beijo doirado no novo namorado e noites longas como as ondas, um corneto da Olá a andar de cá para lá, uma cerveja para já, a praia da Rocha bem-disposta e a merenda às costas, a tenda atrás do arbusto (ai, que susto) e por que não, pois então, se o Verão é só isto, ó petisco, e já me dói o pescoço, ó Agosto, de estar a comer um caracol de olhos postos no sol.

6 comentários:

NoKas disse...

Venha venha!!!!! :)

Pitucha disse...

Tão giro!
Beijos

hbandarra disse...

Bom demais! É mesmo o Agosto!

Nina disse...

És mesmo uma poetisa, com graça e muito ritmo..
Faz um para cada mês! :D

pessoana disse...

A Nina também por aqui? Estou fora de mim! Beijos para todos com sabor a Agosto (se fizermos greve, o tempo melhora?)!

OrCa disse...

Deste Agosto era desgosto não dizer que dele gosto... 'inda que seja suposto terem mais o mesmo gosto. Aposto!

Posto isto e bem disposto, diria de quanto exposto: "- Enfim, gosto!"

Beijos.