quarta-feira, 11 de julho de 2007

Voltar

O viajante e o viajado encontraram-se na estação. O viajante disse que ia dar a volta ao mundo e, na volta, esperava voltar a encontrar o viajado. O viajado disse que quem dava voltas, não voltava. Um dia, também ele fora dar uma volta e, na volta, ao passar pelo ponto de partida, pensou que era um ponto de passagem. Por isso, voltou para trás e agora, ao olhar para trás, sabia que dera demasiadas voltas para saber voltar. Um pensava que voltava, o outro não sabia como voltar. Quando partiram, disseram "Boa viagem". Um deu a volta ao comboio, o outro deu demasiadas voltas à cabeça. Ambos se perderam no caminho.

6 comentários:

NoKas disse...

Isso é por causa do feito de triângulo de bermudas que BXL tem nas pessoas. :p

Pitucha disse...

Gostei muito do texto e, sabes, acho que tens razão!
Viajante um dia, sempre viajante.
Beijos

João Ricardo Branco disse...

Caríssima amiga,

Sirvo-me deste «Voltar» para também voltar à tua saborosa escrita e aplaudir a decisão de criares (finalmente!) um blogue.

Comento em primeiro lugar este «Voltar» como poderia começar por comentar qualquer outro dos (magníficos) «voltares» escritos acima ou abaixo (o «Dejà vu» ou «A mulher do eléctrico», por exemplo). Mas apetece-me ser literal e começar a volta deste meu voltar à tua escrita pelo «Voltar» do teu voltar à escrita (pública)!

Pensemos então no local de encontro entre o viajante e do viajado (a estação). E pensemos agora em duas hipóteses de «estações» para esse encontro: a tua escrita e a blogosfera. Se nos encontrássemos na «estação da tua escrita», eu seria viajante e tu serias viajada. Tu já terás dado demasiadas voltas para saber voltar ao ponto de partida e eu, que a conheci (à tua escrita) já a meio da viajem, penso sempre que é possível voltar às «malditas hormonas». Na blogosfera penso que podemos trocar de posições: eu já passei por inúmeros posts para saber voltar ao n.º 1 e tu, em início de viagem, pensarás sempre poder voltar à «menina rouca». Conclusão: os papéis dependem das estações ;)

Boa sorte!

pessoana disse...

Johnnyyy, és o maiooooor! Quanto às viagens sem fim, o melhor era fazermos mapas! E depois trocávamos de itinerários sempre que necessário! Boa? Beijos!

Alexandra disse...

Esta historia parece-me familiar. A minha talvez?

hbandarra disse...

Voltar para de onde não se partiu, para de onde não se voltou. Voltar a partir para voltar a te encontar. Até já!