sexta-feira, 6 de julho de 2007

Déjà vu

No comboio vem um estrangeiro a ler um livro. Tem um ar estranho o estrangeiro, daí saber-se que é estrangeiro, de outra maneira só se o ouvíssemos falar e, como no comboio vem tudo calado, seria impossível sabê-lo senão através do seu ar estranho. O livro que o estrangeiro vem a ler chama-se "O estrangeiro", há algo estranho nisto. Ao lado vem uma rapariga de iPod ao colo, vê-se que é daqui, traz a cor desta terra nos olhos, ligeiramente verdes, quase chuvosos. Tem uma tez branca, igual à dos outros, e um nariz aquilino que, por sua vez, aponta tranquilo para a janela. E nela há a imagem repetida, a rapariga de iPod ao colo. Dir-se-ia que neste banco se sentam pessoas duplicadas. Doppelgänger.

3 comentários:

Cata disse...

Querida Ana,

Até que enfim! Mas mais vale tarde do que nunca. Estive muito tempo à espera deste blogue! Mais uma leitura diária, para juntar às outras!
Beijinhos grandes cheios de saudades

pessoana disse...

Só por causa dos vossos simpáticos comentários, apetece-me dar a volta ao mundo num barco de pesca japonês, ver peixes fora d'água a entrar na água. E tudo isto ao som do Sérgio Godinho, claro!:-)

Bob disse...

gosto deste conto estrangeiro! beijinhos de quem não te fala há muito tempo e que também está no estrangeiro... ;)