terça-feira, 17 de julho de 2007

A queda

Peço-te: anda cair comigo na toca do coelho enquanto a tarde cai. A queda parece-me mais bonita do que o voo por ser mais leve. Contamos até três em uníssono e atiramo-nos ao mesmo tempo (bem sei que não preciso de apertar o nariz, mas foi assim que me ensinaram a mergulhar). Olha para mim agora, os meus cabelos enrolam-se numa trança incompreensível, ficarão assim para sempre, jamais os poderei separar. Vamos brincar às cambalhotas ou boiar no vazio, podemos até virar a cabeça para baixo, juntar os pés, os ombros, os rostos, rodar sobre nós próprios, desenhar espirais infinitas ao som de gritos inaudíveis. Temos todo o tempo do mundo para darmos as mãos nesta toca sem fundo, não há um fim para este final de tarde. Os outros que fiquem com o tempo e o espaço, nós não precisamos disso.

5 comentários:

marta disse...

deve ser bom cair...

pessoana disse...

Sim, deve ser! É pena a toca! Podia-se cair ao contrário, em direcção ao céu! Sempre havia mais luz!:-)

Pitucha disse...

Pessoana
Fica-se sem ar a ler os teus posts! Deve ser da queda...e da beleza!
Beijos

pessoana disse...

Elá, isto com leitores a sério é muito mais a sério! Fiquei sem ar com o elogio! Obrigada Pitucha!

NoKas disse...

Deve ser do sol outra vez... Estava bonito (mesmo a sério) o teu post mas na minha cabeça distorcida só consigo ouvir a música: atira-te ao mar e diz que te empurrarem.....

Socorroooo, preciso de Verão para recuperar.