quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Página 161

Perguntaram-me:
Qual é a frase que se encontra na 5.ª linha da página 161 do livro que andas a ler?
É que no cinzento de Bruxelas tudo acontece.
Admito: gosto destas correntes e fui a correr para casa ler!
E ao reler a frase da 5.ª linha da página 161, adorei-a um pouco mais do que antes.
É que gosto tanto dela que quase decidi não a partilhar convosco.
Até porque esta frase é um pouco complexa para a cortar: traz um travessão no ventre e ganha voz a meio.
Vai daí, decidi transcrever tudo, desde o final da 4.ª linha até ao final da 6.ª, para que a frase e a voz fossem completas:
"Já de porta fechada, tinha-a encarado - «Quero vê-la muito bem. Olhe para cá...»"
(Lídia Jorge, Combateremos a Sombra, D.Quixote, 2007)
Dita assim, esta frase é ainda mais estranha do que a pergunta.
Um pedido ("Olhe para cá") em forma de ordem, provavelmente de homem para mulher. Duas personagens à porta fechada, encarando-se e tratando-se por você. Faz-me querer chegar à última página ainda hoje!
Para que a corrente não acabe, pergunto a mais uns quantos.:
Cata, OrCa e Claudette, olhem para cá, qual é a frase que se encontra na 5.ª linha da página 161 do livro que andam a ler?

Nota aos leitores assíduos: vou nas asas dos livros para uma terra a cores e volto daqui a imensos voos.

4 comentários:

OrCa disse...

Como tu, preciso de me expandir um pouco para que a luz se faça. Cá vai: (Esta importante dis-)tinção entre ubiquidade e omnipresença não era clara (para a Igreja Medieval...) - in Dicionário do Diabo, pág. 161, 4ª, 5ª e 6ª linhas de Ambrose Bierce, ed. Tinta da China - lembras-te? Falámos deste artista na oficina.

Um cromo difícil, cínico como as coisas cínicas, que nos desafia com definições deste calibre: "AMADOR - Um transtorno público que não conhece a diferença entre gosto e habilidade, e confunde a sua ambição com a sua capacidade".

Ou, falando do "AMOR - Demência temporária que se cura com o casamento...".

De um ARADO diz ser "Um instrumento que clama por mãos habituadas à caneta"; e de um ASSALTANTE diz ser "Um homem de negócios sincero".

Outro modo de ver o mundo, sem dúvida. E bem estimulante.

Beijos.

Pitucha disse...

E depois de desempenho tão bom, vais já para a lista das minhas correntes todas!
Beijos e diverte-te

Claudette Guevara disse...

ena, pá! :D

corre-se o risco de se levar com uma frase sobre ordenamento do território, ou ainda sobre Políticas Urbanas...

Mas vou à mesinha de cabeceira ver o que está lá parado há uns tempos, à espera de ser relido ou de ser acabado.

=)

Cata disse...

Querida Ana,

Andrei desaparecida. Depois de umas semanas de árduo trabalho estive uns merecidos sete dias em Arraial d'Ajuda, no sul da Bahía,entre mergulhos na praia, águas de côco, sonos bem dormidos,pessoas risonhas, queijadinhas de côco, muitas gargalhadas, cristais e paisagens paradísiacas.
Mas mal cheguei tive de te vir espreitar. Espero que estejas bem.
O livro que estou a ler é o "A sombra do vento" e a frase que começa na 5ª linha da página 161 é: "Ergui o olhar e vi que a montanha de Tibidabo amanhecia entre nuvens de gaze".
Beijinhos grandes!