sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Senhora de saltos altos

Aquela senhora de saltos altos vai sempre a pé para casa. Sabemos isto porque já nos cruzámos com ela na place Jourdan várias vezes. Avistamo-la lá ao fundo, à saída do parque e ficamos a vê-la desembocar na praça. Tem um passo solto e as costas muito direitas. As pernas parecem fortes e o rosto vem sempre com aquele ar liberto, a baloiçar no dia, como quem regressa a algum lado.
Estamos certos de que vai para casa. 
A senhora dos saltos altos não vem cansada. Daí acharmos que, ou gosta muito do que faz ou não se chateia com pormenores. Dá uns saltinhos pela rua, a cabeça abana imprevisível. Sabemos que a senhora trabalha, porque passa por aqui quase sempre às seis da tarde. Por vezes mais tarde, outras vezes mais cedo, mas por norma durante aquela parte indefinida do dia, entre a tarde e a noite. Deve portanto trabalhar num escritório ali perto. Talvez numa agência de viagens, num consultório médico, provavelmente num banco. Sim, certamente. Num banco.
Agora que a vemos de perfil, não há dúvida: é uma mulher das economias. Goza a vida no concreto, tem um corte de cabelo prático, não olha para as pessoas nas esplanadas. Não é uma pessoa sozinha, pelo contrário. Tem família, amigos, inimigos, tem olhos acompanhados. Imaginamos que se despeça dos colegas com um adeus sempre risonho. Simpático, cordial, correcto.  
A senhora não vem a rir pelo caminho, seria estranho que o fizesse. Mas adivinhamos-lhe aquelas pequenas rugas de riso nos cantos da boca e tiramos ilações: tem gostos musicais, vai ao cinema. 
Olha atentamente para os carros antes de atravessar a rua, agradece com um pequeno aceno a quem a deixa passar. Segue depois pelo parque de estacionamento e sobe aquela rua, à esquerda. Depois não sabemos para onde vai, porque a perdemos de vista, mas deve morar ali perto. Sabemos isto pela maneira como apressa o passo e levanta a cabeça: a apanhar balanço. 
Apetece-nos conhecer a senhora dos saltos altos, percebê-la, acompanhá-la. Mas, à falta de pretexto, não fazemos nada disto. Ficamos a vê-la passar.

3 comentários:

Magui disse...

Que bom estar numa esplanada,num sítio bonito a ver passar as pessoas.
Como seria melhor vermos passar muitas como a "Senhora dos saltos altos".
Estaríamos numa civilização diferente, com menos pressões sociais, mais solta, onde todos nos sentíssemoos felizes com o nosso trabalho, onde pudessemos fazê-lo com prazer e não só para subsistir ou para ter uma grande casa, um grande carro...
Mas o optimo seria termos isto e uma capacidade de olhar e fazer a leitura que tu sabes fazer.

Sara disse...

Fez-me lembrar uma Pessoa que se foi despedir de nós. Essa Pessoa vinha de saltos altos, trazia um sorriso na boca. E quando o autocarro partiu deixámo-la ficar no cimo dos seus saltos altos, com um sorriso na boca e uma mão a acenar um adeus e até breve. Em breve estaremos todos juntos...Lá. e assim foi. Foi tão bom!

uxa disse...

Delicioso.
Mais um bom-bom que tiraste da tua caixa.