terça-feira, 30 de setembro de 2008

O homem a rimar

Para o tio Pedro.

Nós, que ignoramos o mundo e tudo o que nele existe, não conhecemos Luanda nem Tundavala nem Benguela nem o deserto do Namibe, mas vimos um pouco disto através dos olhos do homem que rimava, que ria a rimar, que raiava. Eram olhos soalheiros aqueles, de final de tarde, ampliados por óculos redondos, avolumados.

Este homem tinha, também ele, um certo ar de paisagem, por a sua presença ser espaço, viagem, deserto. Os cabelos ondulavam ao vento, espelhavam vários sóis: iguais ao mar.

Penso muitas vezes no seu quarto musical, no seu Porto de chegada. Nas suas memórias de África, com a qual todos nós sonhamos como outros sonharam com a Terra do Nunca: um lugar impossível cheio de histórias paralelas, diferentes das nossas.

Do Porto se fez ao asfalto. Aquele homem. Sempre rimando. Remando. E nós a vê-lo viajante, debruçado sobre os mapas. Das estradas, dos tesouros.

Sonhamos sobretudo com a sua rolote. Aventureira, poeirenta, a rolar pela Europa. Não conhecemos essa rolote e temos pena.

Quem nos dera ter viajado nela.

Um homem chamado Pessoa e que o era até ao final de si mesmo. Não o conhecemos como devíamos, como podíamos, como queríamos. Mas sabemo-lo assim: um homem profundo como o horizonte.

A rimar com o mundo.

5 comentários:

uxa disse...

É mesmo isso.
Lembro principalmente o sorriso dos olhos.

Magui disse...

Quanta ternura!

OrCa disse...

Uma muito bela homenagem...

(Diz-me, Ana, se recebeste a minha mensagem de hoje... Mas diz-me, também, se não terás acaso desmaiado, se a recebeste.)

:-)

Pitucha disse...

Muito bonito (as usual).
Beijos

Sara disse...

Este conto é um pontão que fica, que vive. Para quem o conheceu e não conheceu, mas quem o ler vai saber que era um Tio Pedro especial para alguém.
Deixou-o para a vida, o seu pontão.