sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

PerCursos de Cascais: um mar de escritas

No dia 20 de Dezembro do ano passado, aconteceu isto:


Isto não é ficção. Ou melhor, tem muita ficção, mas é um mar de verdade. Um livro com muita gente dentro, fruto de duas oficinas de escrita criativa orientadas por Luís Miguel Viterbo. Um bem-haja à Câmara Municipal de Cascais, que nunca deixou de acreditar no projecto. E um obrigada também ao OrCa, que ao seu alcance tudo fez para que o livro nascesse. Percorri os sete mares para roubar as fotos: cá está o link.

Um abraço ao maestro Luís Miguel Viterbo e aos co-criadores: Ana Flor Neves, António José Santos, Camila França, Clara Macedo Cabral, Cristina Vieira, Filipa Múrias, Isabel Coelho, João Mendes, Jorge Castro, José Farinha, Lima Rodrigues, Margarida Cipriano Rebelo, Miguel Brito, Rui Vieira Farinha e Vera Craveiro Reis.

7 comentários:

Paula Raposo disse...

Um excelente livro que recomendo. Uma apresentação de que muito gostei!! Beijinhos e sempre a escrever...

Sara disse...

Primeiro: Parabéns!
Segundo: como posso ter um livro?

Também quero um autografo.

És uma caixinha de surpresas ou presentes (como acrescentou o Manuel)

Anónimo disse...

Eu estive presente na apresentação do livro. Todos muito contentes, como se tivessem recebido um "brinquedo" atrasado. Foi comovente e divertido.Parabens LIFE

Miuxa disse...

Um momento bem apanhado.
Gostei de lá estar.

Carlota disse...

Com que então?...
Muitos parabéns!

(Já há muito tempo que não te via.)

buba disse...

olá, cá estou eu! realmente foi giro... mas o que eu queria mesmo era agradecer-te o presente de Natal, que estou hoje a usar e gosto imenso! também quero lembrar-te que ainda vais ter de assinar o meu livro, porque me esqueci de o levar no dia 24! quando estiveres por perto... bjos e BOM ANO

OrCa disse...

um pouquinho-quase-nada que te dou
dás-me um toma-lá-que-tenho-e-nem-faz-falta
todos dão e por fim o quanto sou
traz em si um mar todo em maré alta

Por aí vamos, minha amiga. Sempre na esperança de que haja o entendimento de que um e um valem infinitamente mais do que dois. Então, quando chegam aos dezasseis...

Beijos