quarta-feira, 21 de março de 2018

Encontros mágicos em Vila Nova de Gaia

Como falar da magia real? Ontem estive em Vila Nova de Gaia e agora estou para aqui cheia de ganas de viver. A culpa é dos alunos que conheci nas escolas Soares dos Reis e Teixeira Lopes. Garotada muito fixe e inspirada, com a vida toda pela frente.


Alguns tinham lido a Karateca, outros o Supergigante, outros ainda a Mary John. Alguns tinham lido os três livros ou então dois.
Na escola Soares dos Reis, havia um mostrador e uma parede da biblioteca decorados com as frases favoritas dos alunos. Frases que eu nem sabia que tinha escrito! Por exemplo: "Um olhar que olha." Ou: "O fim é o início de outra coisa qualquer." Ou ainda: "E tudo faz sentido, mesmo quando nada faz sentido."



O encontro com os alunos do 9.o ano começou com uma leitura do Miguel e da Joana. Leram um excerto da Mary John que fala, entre outras coisas, do sentido da vida e de "almas perdidas".





A conversa andou em torno das perguntas dos alunos, muitas delas nunca antes "perguntadas". Por exemplo esta: o que é para si uma "alma perdida"? A karateca queria realmente ser freira? Por que razão a Mary John continua a escrever ao Júlio depois de confessar que já o esqueceu? Quais as vantagens de escrever à mão?
Pergunta puxa resposta, lá fui falando dos livros e do processo de escrita de todos eles. A certa altura disse-lhes que transpirei bastante enquanto escrevia o Supergigante. Perguntei-lhes se tinham transpirado durante a leitura. A Catarina disse que tinha "transpirado dos olhos". A Leonor perguntou-me se os meus encontros com alunos também serviam de inspiração para escrever. Eu disse que sim e fixei logo aquele nome: Leonor. Like it very much! A Sofia quis saber se eu considerava a possibilidade de escrever para adolescentes partindo de personagens que não fossem adolescentes. E esta, hein?






O Alexandre mostrou-me os textos que ele escreveu e ilustrou a partir de frases do Supergigante. O primeiro poema tinha como título: "Eu corro e não avanço".
No final da sessão na escola Soares dos Reis, o Gonçalo - vestido de carteiro dos CTT - entregou-me um molho de cartas e uma prenda dos alunos.





Foi uma surpresa e tanto! Vim no alfa pendular pendurada nestas memoráveis epístolas.





Umas vinham escritas em folhas de caderno, outras em papel de carta com enfeites diversos: borboletas, folhas de árvore, Snoopys. Uma das alunas dizia que a Maria João, o Raul, a karateca, o Daniel, o Edgar e a Joana eram os seus "amigos novos". Uma outra leitora dizia que estava a aplicar o método científico da karateca a todas as áreas da sua vida. Uma das cartas mais longas e bonitas falava-me da morte e do amor a partir da leitura do Supergigante. E uma moça dizia que a Mary John contava a história da sua vida.
Depois de ler as cartas, abri o meu presente da escola Soares dos Reis.






Era um caderno novinho em folha: a prenda ideal para quem estava mesmo a precisar de desabafar. Escrevi assim: "Hoje conheci uns alunos que não são almas perdidas!"
Resta-me agradecer o empenho e a boa onda das professoras bibliotecárias e dos professores de Português das duas escolas. Agradeço em especial ao Pedro Carvalho da fantástica livraria Velhotes (onde habitam umas fanzines upa-upa) que organizou estes magníficos encontros. Estou para aqui a transbordar emoção, esperança e inspiração.








6 comentários:

Nuno disse...

Que maravilha! Bibá juventude!
Se lhes dermos coisas boas, eles devolvem.

Miguel Teixeira disse...

Peço desculpa mas queria só salientar que se enganou um pouco nos nomes.Quem fez a leitura inicial fui eu - o Miguel - e a minha colega Joana. O Alexandre é uma pessoa distinta que realmente no final foi falar consigo.
Mais uma vez, peço desculpa mas penso que era importante esclarecer este equívoco.
No entanto, queria acabar este comentário por dizer que adorei estar consigo e que estou ansiosíssimo para ler o seu próximo livro!

Um abraço,

Miguel

pessoana disse...

Miguel, que neura! Fiquei um bocado alma perdida agora. É que fui logo falhar com os "atores principais". Ainda por cima o teu nome rima com Daniel. Agora lembro-me que a Joana quase levou um autógrafo para a "Ana", mas corrigiu-me a tempo. Vou já corrigir. E depois vou ali para um canto de castigo. Perdoem-me, Joana e Miguel.

Miguel Teixeira disse...

Não se preocupe que nós não ficámos chateados! Mas agora para nos compensar podia mandar-nos uma cópia do seu novo livro antes de o publicar...Sabe? So para poder contar também com a nossa opinião...
OK. Estou a brincar! (Mas se quiser mandar nós não nos importamos...)
Bom trabalho e espero que o seu próximo livro fique como os outros: um espetáculo! Mal posso esperar por lê-lo.

Um abraço,

Miguel

pessoana disse...

Miguel, tu é que és um espetáculo! Vou batizar uma personagem com o teu nome.

Miguel Teixeira disse...

Não vou mentir. Isso era mesmo fixe!!! Muito obrigado! Acho que então nos vemos no seu próximo livro. Ate lá!