domingo, 24 de janeiro de 2016

A minha cruz

Pronto. Já fui votar. 
Livrei-me dessa cruz.
Saiu-me torta, por acaso. Deu-me um tremidinho na última perna e o risco atravessou o quadrado num solavanco.
Ups!
Ficou uma cruz esquisita.
A culpa não foi da caneta. Foi da minha mão direita. 
Grande pateta!
Deu-lhe uma hesitação qualquer, acho. Uma falta de vigor, talvez. 
Depois dobrei o papel em quatro. 
Vinquei as dobras com as unhas, também elas tortas.
Lá se foi mais um sufrágio universal.
Secreto.
Algo sofrido.
A tiritar de frio.
De entusiasmo.
Ou então de medo.
Não sei.

2 comentários:

Magui disse...

Também não sei, mas acho que somos muitos que não sabemos!
Parabéns!

Bonamassa disse...

CROSSROADS CROSSING (Blues)