segunda-feira, 4 de março de 2013

Música a fingir que não é

Gosto de música a fingir que não é, de vozes que quase não são. De música mascarada de história contada ou assim. 
Como é óbvio, não percebo nada de música, o que deve fazer de mim uma pessoa ainda mais pobre de espírito. Mas cada um é como cada qual e eu sempre fui dura de ouvido e bruta de voz.
Aparte comprido: Lembro-me bem dos dias passados na escola de música. Até gostava das aulas práticas, de aprender os acordes novos e de decifrar as músicas dos outros, mas as aulas de solfejo eram um martírio. A professora dava-nos música e nós tínhamos de distinguir o si bemol de outra coisa qualquer e fazer contas às semi-colcheias. Os ditados de figuras e pausas eram uma arte da adivinhação. Era como jogar à batalha naval, mas sem perceber se tínhamos acertado ou não no porta-aviões. Não tinha a semínima piada. Além disso, era impossível copiar pelos colegas do lado, porque os colegas do lado eram bons de ouvido mas maus de coração. 
Felizmente, não é preciso perceber de pautas musicais para gostar de música. Sou dura de ouvido, mas ando pela rua com headphones na cabeça. Uns headphones grandes, que também servem de bandolete. 
Gosto de ter uma banda sonora para os meus dias.
Uma boa banda sonora para os meus dias é a do filme Juno, porque as canções deste álbum induzem em erro, fingem que são outra coisa. Gosto em particular da canção fofinha dos Moldy Peaches, porque os Moldy Peaches têm o Adam Green lá dentro e o Adam Green é sempre uma boa coisa. 
Gosto das canções do Adam Green, da sua voz muito grave e muito fácil ao mesmo tempo (nada é grave e fácil ao mesmo tempo). Gosto dos caracóis do Adam Green, das suas maluquices. O Adam Green é um músico a fingir que não é. 
Gosto à brava do Adam Green. 
Eu e o Adam Green.
We sure are cute for two ugly people. 

4 comentários:

Miuxa disse...

Concordo contigo, é uma canção fofinha.
Vieram-me à memória imagens de miudinhas da infantil, a cantar enquanto ensaiam aquilo que pensam ser uns paços de dança, rodar p'ra lá e p'ra cá, a cantarolar, muito envergonhadas mas muito empenhadas.
Também me lembrei daquela cantiga brasileira '(...) no peito dos desafinados também bate um coração'.

Anónimo disse...

'passos', desculpa a gafe. (Ficou-me cá a 'bater' qq coisa ...)

Miuxa

Sara Bandarra disse...

Gosto.

Magui disse...

Eu é que sou dura de ouvido. ("Eu é que sou o Presidente!"). As pautas em si não eram problema para mim, pois eu percebia a técnica. O pior era associar a pauta à música propriamente dita. Era uma desgraça!
Mas o importante é que tu consegues exprimir os teus pensamentos de uma forma muito interessante e fazer com que possamos interagir.