terça-feira, 13 de maio de 2008

O homem reflectido

História paralela para um homem original.
Para o Johnny, claro.

Vestia camisa branca. Sempre branca. E gravata. Uma qualquer. Com ou sem riscas. Com ou sem pintas. Sem muitas cores. Nem muitas formas. Não gostava de fantasiar o peito. Chamemos-lhe: homem original.
As mãos eram ágeis e o nó saía sempre igual: decidido, destemido, perfeito. Lembrava a arte dos pescadores: o nó de oito que ninguém sabe dar.
Tudo isto se passava em frente ao espelho.
Ia ao cinema. O homem original.
Gostava da arte. Da vida. Da arte da vida (e vice-versa). Da subtileza das coisas. De histórias. Gostava do ecrã. Da sala sempre negra, experimental.
Ia ao cinema.
No carro tirava a gravata com a pressa de quem se liberta. Da forca. Respirava melhor sem ela (sem a gravata nem a forca). Era importante respirar no cinema. Na vida, não. No cinema, sim.
Naquele dia, entrou na sala negra para ver um filme, mas afinal, em vez de um filme, viu-se a si próprio. Um fenómeno estranho. Mas curioso. O homem original interessou-se.
O ecrã era, de repente, um espelho. Ou até uma lupa, porque a sua imagem reflectida era muito maior do que ele próprio, o homem original. O homem reflectido dava o nó de gravata. O tal nó decidido, destemido, perfeito.
O homem original colocou a seguinte hipótese: se o homem reflectido estava a dar o nó de gravata em frente ao espelho, talvez que ele, o homem original, fosse antes o homem reflectido e não o original. Isto entusiasmava-o. Se ele era a vida paralela, gostaria de saber a vida original. A do outro. A do homem reflectido (corrijo: original).
Depois, ao longo do filme, colocou outra hipótese: talvez que ele, o homem da sala escura, o homem original ou reflectido (não interessa) fosse as duas vidas ao mesmo tempo.
Este pensamento enriquecia-o: ao homem da sala escura. Duplicava-o. Literalmente.
Sempre quisera ter uma vida dupla.
Durante vários minutos ficou a pensar na vida. Nessa outra vida, paralela ou real. Disse:
Este é o meu filme e saiu da sala escura. Para o realizar. Para o viver. Para ser.
Tinha visto tantos filmes, que era difícil ser original. Não conseguiu resistir à tentação e decidiu ser serial killer. O homem original (ou reflectido).
Mas não um serial killer qualquer.
De vez em quando tinha vontade de matar, era preciso racionalizar essa vontade.
Decidiu: eu sou um assassino de pessoas que não dão um bom filme.
No seu modesto entender, eram pessoas desnecessárias. As que não davam um bom filme. Não tinham vidas duplas, não tinham beleza nem identidade em nada do que faziam. De repente, percebeu que, na sua vida (na de homem original ou reflectido), andava rodeado de pessoas que davam bons filmes. Era um critério como outro qualquer. Mais legítimo do que muitos outros critérios. As outras pessoas não tinham arte. Era preciso acabar com as pessoas sem arte.
O homem original ou reflectido começou a gostar da sua vida dupla.
Saiu do cinema de rompante. Caminhava rápido, tinha pressa.
Era preciso comprar uma arma.
Entrou no carro. Pensou.
Olhou para a gravata. Estava amarrotada e deitada no lugar do morto.
Repetiu: Lugar do morto.
Olhou para as mãos (ágeis) e pegou na gravata. Não tinha riscas nem pintas.
Era uma arma interessante.
O homem partiu.
Para a vida.
A paralela (ou original).

5 comentários:

Sara disse...

Esta é uma daquelas... andava uma pessoa relaxada com a escritora, copista... e de repente zás.

uxa disse...

Tens personagens curiosas na tua vida. Ou fazes filmes interessantes sobre elas.
Por mim, gostava de não morrer asfixiada por uma gravata, como qualquer "pessoa desnecessária"...

João Ricardo Branco disse...

Hoje de manhã, enquanto vestia uma camisa branca e dava o nó numa gravata com pintas e sem muitas cores ou formas — que eu cá não gosto de fantasiar o peito —, pensava também em ti, e em como o meu filme tem sido bem mais rico e interessante por ter uma 'star' como tu no elenco. Uma 'star' que entende tão bem (e se entende tão bem com) o realizador. Dir-se-á que a cumplicidade tem destas coisas :)

E dei também por mim a olhar para a gravata (a tal com pintas e sem muitas cores ou formas) e a vê-la de maneira diferente, com novas formas e cores e infinitas possibilidades. Dito isto, e ao ver-me assim ao espelho (ou melhor, ao ver-me assim espelhado num texto; corrijo: ao ver-me reflectido assim num texto), creio que vou sair de imediato para o mundo e engravatar a próxima vítima ;)

Obrigado pelo texto e pela amizade de sempre.

Um beijo,

JRB

Anónimo disse...

São pequenas coisas que nos fazem as vezes despertar para o feio,o mau e o belo. Gosto de sentir a arte jogar com as formas e cores.
Dimensão, lugares,brilho...é sempre imprescindivel

Anónimo disse...

Vida paralela, vida dupla, vida, vidas sem rumo, a toa