segunda-feira, 19 de maio de 2008

Diálogo sobre o ser - Parte VII

- Filha, não interessa copiar os outros.
- Não?
- Não.
- Importante é sermos originais.
- Originais?
- Sim.
- Tu és original?
- Sim.
- Isso é importante?
- Claro.
- Porquê?
- Porque somos únicos.
- Únicos?
- Únicos.
- Então para que servem os outros?
- Para vivermos em comunidade.
- Em comunidade?
- Sim, para nos ajudarmos uns aos outros.
- Tu ajudas os outros?
- Ajudo.
- Os copistas também ajudam.
- Talvez. Mas tu podes ajudar os outros de mil e uma maneiras.
- De mil e uma maneiras?
- Exactamente! De mil e uma maneiras.
- Como as mil e uma noites?
- Por exemplo! A Sherazade também ajudava o rei persa.
- Ajudava?
- Sim. Contava histórias sobre outras pessoas.
- Ela era copista?
- Não. Era contadora de histórias.
- Quem conta uma história não copia?
- Não. Contar não tem nada a ver com copiar!
- Não?!
- Não.
- Mas as histórias da Sherazade não eram dela.
- Claro que eram.
- Não eram, não. Eram histórias sobre outras pessoas.
- Que ela inventou.
- Que ela inventou?!
- Sim.
- Ela inventou pessoas?
- Sim.
- Para quê?
- Para contar as suas vidas.
- Vidas que não existem?
- A partir do momento em que Sherazade contou as histórias, as personagens passaram a existir.
- Onde?
- No mundo da fantasia.
- A vida das personagens interessa?
- Claro!
- Para quê?
- Para sermos criativos.
- Para sermos originais?
- Exactamente.
- As personagens são mais importantes do que as pessoas?
- Não.
- Então, as pessoas são mais importantes do que as personagens?
- Claro. São os protagonistas da vida real.
- O real é importante?
- É o mais importante.
- E, no entanto, não é original.
- Não, não é.
- Então, é melhor ser copista do que original.

(continua)

5 comentários:

Claudette Guevara disse...

Eh! Eh! Eh! Fantástico.

uxa disse...

"- Então para que servem os outros?"
Eu acho que servem para nos dar réplica, carinho ou outras emoções. Também nos podem dar certos exemplos de vida, e a alguns vale a pena copiá-los.

Periférico disse...

Acho que me perdi... deixaste-me baralhado ;-)

Beijos

OrCa disse...

Tu é que és um ponto! Ou, no caso, uma ponta, por onde se te pegue...Não por onde se te pague, que és impagável.

Clap-clap-clap...

(Sabes que o nosso livro está quase a sair?... Não está a pensar dar cá um salto, ou estás?)
;-)

Sara disse...

Na fantasia pode-se sofrer sem deixar marcas, magoar sem ferir ninguém, aprender sem cair em erros, viver sem ter medos, enfim sermos alguém.