sexta-feira, 17 de novembro de 2017

A-ma-re-lo

Curioso! Os últimos livros que entraram cá em casa são todos amarelos. Começo a achar que os comprei por causa das capas. Sei lá. O amarelo dá-me pica e vontade de rir.
A-ma-re-lo. Sempre gostei da palavra e da cor.
De resto, esteve um belo dia de outono, deixem-me que vos diga. O sol pousou torrado na varanda e eu sentei-me por ali a permanecer. Aproveitei e tirei uma foto aos livros amarelados. Assim:


Nisto topei o vaso das ervas daninhas, onde nasceu uma flor amarela muito pequena. Deve ser uma florzinha lixada para nascer assim, no meio do frio e das plantas beras. Se calhar ela própria é uma espécie invasora. Não sei.
Ao longe, o outono. As folhas das árvores por todo o lado: no chão, nos ramos, a esvoaçarem por aí. Delicadas e amarelas a dar com pau.
Uma amiga tem um casaco amarelo lindo. Eu nunca tive um casaco amarelo, mas tenho um caderno amarelo que tem uma banana na capa. Gosto da expressão francesa "avoir la banane". Nunca usei esta expressão. Algumas pessoas tratam-me por Ana Banana.
Há uns anos fui vacinada contra a febre amarela. Lembrei-me agora. Tenho saudades das páginas amarelas.
E mais nada.
Gostava barés de ter um casaco amarelo.

2 comentários:

Bonamassa disse...

YELLOW BRICK ROAD ( Pop Rock )

Miuxa disse...

Olá Ana
Quando nasceu o André, a primeira coisa que comprei foi uma saia comprida e rodada amarela. Sentia-me bem de amarelo, enquanto as minhas colegas estranhavam eu vestir roupa dessa côr.
Mas antes disso, eras pequena e eu ofereci-te um vestidinho amarelo de gola à marinheiro.
Amarelo parece ser uma côr injustiçada naquele ditado: 'Se todos gostassem do mesmo o que seria do amarelo ?'. Deixa-nos uma impressão subconsciente de rejeição do amarelo.
Mas acho que as crianças não dispensam nos seus desenhos uma grande e bela bola amarela com raios e um sorriso para representar o Sol e dar felicidade ao desenho.
Beijinhos