sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Mary John na Revista Blimunda

A edição de dezembro da Revista Blimunda já está disponível aqui: http://www.josesaramago.org/blimunda-55-dezembro-2016/

Andreia Brites dá destaque à Mary John num texto total e robusto que deixou a minha alma pasmada e a minha boca aberta.
Aqui fica o naco final:

"(...) O que esta novela consegue, e por isso é literatura de primeira água, é conjugar o singular com o universal. Rejeita a moral, o paradigma social e traz uma história de vida de uma rapariga filha de pais separados que idealiza uma relação especial e imutável com o melhor amigo, o vizinho da praceta. A mudança de idade, a presença de outros que a desafiam na sua identidade, a perda de atenção, o sofrimento que questiona. E a mudança de cidade, de escola, uma motivação sustentada pelo que se perdeu. A descoberta da paixão, de si, dos outros, de que há sempre outros. A elevação da narrativa está precisamente nos pequenos apontamentos, no equilíbrio de cada um, em que nenhuma descrição está a mais. Mary John é uma narrativa compulsiva que surte um efeito de desconcerto.

O que é literatura juvenil? É isto."

O texto completo está disponível nas imagens (em baixo) e na revista (em cima).

Vale a pena ler outros artigos da Revista Blimunda, claro. Alguns exemplos: Pilar del Río fala-nos da feira internacional do livro de Guadalajara, Sara Figueiredo Costa leva-nos a exposições de fotografia em Madrid e Andreia Brites brinca com vários "livros-jogos".

Este blogue fica-se por aqui este ano, acho.
Bom 2017!















3 comentários:

Miuxa disse...

Quem não arrisca, não petisca. Como te disse, neste arriscaste muito, e pediste muita coragem aos teus primeiros críticos. Parabéns! Bom Ano 2017, isto promete...

pessoana disse...

Querida Miúxa, obrigada por fazeres parte desta aventura de alto risco.
E um bom ano para vocês!

Magui disse...

Parabéns!