terça-feira, 17 de junho de 2014

O sangue na guelra

O jogo de ontem dá para pensar na vida e não em futebol. 
Isto de termos sangue na guelra nem sempre joga a nosso favor, sobretudo quando estamos perante um contratempo.
Paciência. É mesmo assim.
Eu cá estou sempre a levar nas trombas com o meu sangue na guelra.
Perante um contratempo, ficamos indignados e desorientados. Dá logo vontade de agarrar na bola e anunciar o fim do jogo. Pronto, acabou-se. 
Na melhor das hipóteses, desatamos aos berros. Não estamos a contar com adversidades. As adversidades são imprevisíveis e, além disso, adversas. Um árbitro rigoroso é uma adversidade. Um jogador mal-comportado também. Um alemão impiedoso também. E, no fundo, todos merecem ser vencedores, não é?
É. 
Digamos que o nosso sentido de justiça é algo infantil e o mundo, infelizmente, é mesmo imprevisível e cheio como uma bola de futebol.
Independemente disso, admito que a eficiência alemã é mesmo de bradar aos céus. E de tanto gritarmos, perdemos a voz, o que é outra adversidade, mas não tão adversa assim. Quando perdemos o Norte, é bom que não nos ouçam, porque também só dizemos disparates. 
A culpa, de facto, não foi do resto da humanidade nem da humidade nem do calor nem do árbitro cruel nem da falta de água. A culpa foi deste sangue na guelra.
Somos vivaços e expeditos, mas também ineficazes e obtusos.
Temos algo a aprender com a eficiência impiedosa dos alemães.

Em contrapartida, a Merkel festeja uma vitória como quem cumpre uma incumbência. Deve ter aprendido a bater palmas numa sala de aula, coitada. Aposto que não sabe sambar. Nem sapatear.
Nem perder as estribeiras.

Que grande tédio.

Antes dizer disparates.
E ficar rouca de tanto gritar.

3 comentários:

Sara Bandarra disse...

É a vida.

Miuxa disse...

Com o tempo, aprendemos a confiar na justiça do tempo. Nada como manter alguma calma e estupidez natural no momento de uma contrariedade, e deixar que o tempo revele a verdade, muitas vezes insuspeita até para nós mesmos, e a justiça evidencia-se.
Lá estou eu a emitir filosofias, como se fosse uma pessoa muito lúcida ... eu também sou temperamental e frequentemente obtusa.
Bjs

Bonamassa disse...

LATIN BLUES