segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

O carrossel dos dias

Está quase. Um passo em frente e não tarda já estamos do outro lado, nada mau. Gosto desta ideia de passar o ano, de ver os foguetes a estourar ao longe e gente em cima das cadeiras. Ou alemães a mergulhar no rio. Ou então só o Herman José na televisão. 10, 9, 8, uma excitação, 4, 3, 2, pára tudo, zeroooo. Uma rolha contra o teto, champanhe por todo o lado, borbulhinhas no céu-da-boca, beijinhos, abraços, bom ano! E, pronto, já estamos no ano seguinte, a começar qualquer coisa que ainda não se sabe ao certo o que é, mas, se for uma coisa boa, que dure para sempre. Se for má, que acabe logo. Gosto de estar no carrossel dos dias, cada um no seu cavalinho, para baixo e para cima, sempre em frente. No final, estamos todos tontos por causa dos pulos e do champanhe, bem bom. Também gosto de olhar para trás só para ver as coisas ao longe. E, se puder ser, ao sabor de doze passas de uva, diz que é tradição. Blaargh, não gosto nada de comer doze passas de seguida, mas como na mesma. Felizmente sou apoucada, não tenho doze desejos. Tenho só um e é sempre o mesmo. Digo-o doze vezes seguidas, tipo mantra. E depois fico por ali noite fora numa grande tontura, a dar no champanhe. Ou então não. A festa acaba cedo, dorme-se sobre o assunto, na madrugada do dia 1, o primeiro dia de todos. Também gosto desta expectativa, deste tempo de espera que passa mas não passa, nunca mais é hora. Fazer o check-in online, fazer a mala, imprimir o bilhete, apanhar o autocarro, descobrir que me esqueci disto e daquilo, que chato, ir para a fila do drop-off, tirar os sapatos, apitar no raio-X, desejar Bonnes fêtes aos seguranças, entrar no avião, adormecer no primeiro parágrafo do primeiro dia, acordar com as palavras: Senhores passageiros, estamos a descer para Lisboa. Atrasar o relógio. Olhar pela janelinha e ver as nuvens e depois as luzinhas e depois as casas. É tudo tão mais bonito em Lisboa, parece que até vejo melhor ao longe, que engraçado. Um passo em frente e não tarda já estou do outro lado.
Mas enfim.
Para variar, já estou com o carrossel à frente dos bois.
Ainda vou na parte de apanhar o autocarro. Que seca... O tempo passa, mas não passa.

4 comentários:

Sara Bandarra disse...

Gosto de andar na girafa.
Gosto que estejas por perto.
Abraço.

Bonamassa disse...

MERRYGOROUND BLUES!

Patrícia disse...

Gosto tanto dos teus textos! Não cheguei a ler a karateca quando estava em Portugal e agora sou emigrante no Brasil, fica mais difícil. Mas vou pedir à família que me mande o livro pelo correio. Que bom, este blog! Lindo!
PS - Desculpa o "tu", mas esta coisa de ler os textos de alguém dá-nos uma impressão de falsa intimidade.

ZMiguel disse...

Adorei este texto. Excelente!
Bom ano!
Beijinhos