segunda-feira, 15 de julho de 2013

Um pombo morto


Hoje passei por um pombo morto.
Estava no meio do passeio, a cabeça tombada para o lado e o bico entreaberto. A meio de uma frase, de uma palavra.
Se calhar era um pombo-correio e nunca chegou ao destinatário.
Fiquei tristonha. 
Percebi que estava tristonha porque antes estava feliz e dei logo pela diferença. 
(Antes do pombo = feliz; depois do pombo = tristonha)
Uma pena abanava o vento.
Não, perdão. Ao contrário: 
O vento abanava uma pena.
Parecia um aceno, um voo de despedida. Uma pena pequenina numa das asas.
Tadinho, tive pena do pombo.
(Olha, «pena» e «pena» são palavras homónimas.)
Logo eu, que por acaso odeio pombos, odeio pessoas que alimentam pombos. Os pombos têm cara de parvos.
Se houvesse um desporto de «tiro ao pombo», eu inscrevia-me e vestia-me assim à coronel tapioca. Com uma pressão de ar nas mãos, de enfiar a bala lá dentro. Apontar, suster a respiração, disparar: PUM!
Quando passo por pombos, aponto e sustenho a respiração. Infelizmente não disparo, porque não tenho licença de porte de arma e eu não faço nada fora da lei, sigo as regras todas. 
Sou um bom soldadinho, acho.
Quando estou dentro de um carro e os pombos andam assim feitos parvos a bicar a estrada, solto uma gargalhada de bruxa má e ponho o pé na tábua. Zás! Faço grandes rasas aos pombos, mas acho que o meu objetivo não é matá-los. (Acho.)
É muito chato isto de morrer, de chegar ao fim do corpo. Fiquei mesmo com pena do pombo.
(Ah, que engraçado: «pena de morte» é outro tipo de pena.)
Depois apercebi-me de que o pombo, assim tombado para o lado, até era bonito. Na verdade, era lindíssimo e essa beleza feia de voo interrompido emocionou-me.
A beleza cruel do cadáver.
Depois segui caminho e pensei que os pombos são muito mais bonitos quando estão mortos do que quando estão vivos. Quando andam assim cheios de vida a criar imundície em cima das estátuas, não têm piada nenhuma. São horríveis.
Agora fiquei com a pressão de ar na cabeça.
(Memórias de infância: Eu era sempre a última a disparar a pressão de ar. Acho que era por ser a mais pequenina.)
Se houvesse um campeonato de tiro ao pombo, inscrevia-me nos campeonatos da região flamenga e não nos da região francófona, porque os francófonos são moles, não devem dar luta nenhuma.
Nunca tentei disparar contra animais a sério. Daqueles assim com asas. 
PUM!
Era vê-los rebentar, penas por todo o lado.
BUWUWUWAHAHAHA (bruxa má).

4 comentários:

Sara Bandarra disse...

É a vida.

Anónimo disse...

Parafraseando os Looney Tunes será Pidgeon Season!

Bonamassa disse...

Pidgeon Blues!

MJ disse...

Empresto-te os meus gatos e, juntos, aniquilam os pombos deste mundo :)