segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Pós-parto

O leite sobe. A neve cai. A noite cai. 
Uma noite muito longa e fria. 
Uma noite imensa, que nunca mais vai acabar. 
É uma noite para toda a eternidade. 
Cai por terra como um assombro. E não há como escapar.
O meu filho chora. Eu choro. As minhas maminhas choram também
Caímos todos das nuvens. Caímos na tristeza. Caímos em nós. 
Eu e o meu filho na noite: dois mamíferos melancólicos. 
Ando a ler Marguerite Duras. Uma edição mal-ajeitada. 
As folhas desprendem-se à medida que leio. Caem que nem tordos.
É uma leitura para este outono. 
As folhas caem. Ele dorme. E eu leio.

“L'amant est venu près d'elle, il a mis son corps contre le sien. Il dit qu'il sait ce qu'elle a en ce moment, ce désespoir, cette peine. Il dit que c'est comme ça, quelquefois, à une certaine heure de la nuit, ce désarroi, qu'il sait comme on est perdu. Mais que ce n'est rien. Que c'est comme ça pour tout le monde la nuit quand on ne dort pas. Il dit que peut-être ils vont s'aimer, qu'on ne sait pas tout de suite.
Et puis il la laisse pleurer.
Et puis elle dit que peut-être elle a faim.” (L’amant de la Chine du Nord, Marguerite Duras)

Mais uma folha caída. Mais uma noite imensa. 
E então levanto-me e como pão com manteiga.
-->

5 comentários:

Miuxa disse...

Mandei-te um mail. Olha que por enquanto o Sol ainda nasce todos os dias. Bjnhs

Miuxa disse...

Mandei-te um mail. Olha que por enquanto o Sol ainda nasce todos os dias. Bjnhs

pessoana disse...

Miúxa, o teu comentário é como o twix: satisfaz duas vezes. O sol nasce todos os dias, mas não põe os pés cá em Bruxelas. Isto da noite já passou. Só é possível escrever depois da cura. Acho eu.

feltro nas mãos disse...

❤ Beijito GRANDE! ❤

Bonamassa disse...

BED & BREAKFAST ( Pop Rock )