segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Western revisited: Eleições no Far West

Um índio candidatou-se a xerife. Era a primeira vez que tal sucedia no Far West. Esse índio chamava-se Jlin-Litzoque (Cavalo Amarelo) e pescava no rio com uma lança. Também lia o futuro no movimento da água e falava com a lua.
No bar do Joe, todos à excepção das mulheres discutiam as eleições, os direitos dos índios, o futuro da América.
Como previsto, e para grande alívio dos vaqueiros, o rancheiro Rowdy Yates também se candidatara. Era respeitado na povoação e sabia manter a ordem, a julgar pelas suas vacas disciplinadas. Tinha uma mulher e três filhos, sabia ler e escrever.
Os índios não votavam, pelo que a vitória de Rowdy Yates era provável. A contagem de votos terminou na segunda-feira e o xerife cessante anunciou o vencedor no bar do Joe, onde os homens passaram a noite a beber, a comer, a dançar e a copular com mulheres que não as suas. O xerife anunciou, sem surpresas: Rowdy Yates era o vencedor, tendo os homens continuado a festa. O novo xerife subiu para o balcão a custo e recebeu a sua estrela.
Nisto entra no bar do Joe o Cavalo Amarelo. (Os índios nunca entravam no bar do Joe.) Todos os homens se calaram, estupefactos, excepto Rowdy Yates, que lhe perguntou destemido:
- Vens felicitar-me, Cavalo Amarelo?
- Não.
- Vens anunciar a tua derrota?
- Não.
- Então, o que fazes aqui?
- Venho convocar-te.
- Convocar-me?!
- Sim.
- Para uma reunião?!
- Não, para um duelo.
Os homens soltaram uma gargalhada em uníssono, incluindo Rowdy Yates. O próprio Cavalo Amarelo esboçara um sorriso. A situação era caricata: já se sabe que os índios nada sabem de pistolas. Rowdy Yates mostrou-se curioso, perguntou genuinamente:
- Queres morrer, Cavalo Amarelo?
- Não.
- Pensas que ganharás um duelo contra mim?
- Sim.
- A sério?
- A sério.
- Muito bem. E para quando queres marcar este duelo?
- Para agora.
O Cavalo Amarelo não espera um segundo. Saca uma caçadeira não se sabe de onde e dispara uma só vez. Depois foge no seu cavalo amarelo. Os homens demoram a reagir, ficam a olhar para o chão, onde jaz Rowdy Yates, de cabeça escancarada, indubitavelmente morto. Não dizem nada.
O xerife cessante sai de cena, retoma as funções. Alguns homens tiram o chapéu. Não era digno morrer daquela maneira, sem pré-aviso e pelas mãos de um índio.
Mas no Far West era assim, morria-se por tudo e por nada. A dignidade era tão longínqua como o resto da terra.
O mesmo sucedia, por exemplo, em Vila Real.

5 comentários:

Sara disse...

Há histórias que são de uma realidade chocante.
Consegues neste teu texto levar-nos numa história que parece irreal, quando de repente zás lá estamos nós a deparar com uma realidade surreal. E fica-se assim sem saber como arrumar isto.
Um abraço.

Miuxa disse...

Quem leva a sério o país em que isto se passou fica chocado com tal história. Os candidatos e o PR costumam agradecer na TV o civismo dos eleitores, e depois é o que se vê.

Mas gostei do teu índio Cavalo Amarelo. E fiquei contente por ele ter um cavalo amarelo ...

heretico disse...

tem graça! julguei que te referias ao "prémio Nobel" da... Paz!

a sério!

beijo

buba disse...

Olá, Olá! É realmente incrível, não é? mas se vires bem, também tens 'bandidos' eleitos por uma grande maioria de pessoas(?) em zonas consideradas de nível cultural elevado... (tipo Oeiras, ou assim...!) Isto demora algumas gerações, acho eu... já não vai ser na vossa, infelizmente... mas o texto está delicioso... (sobre o tema dos índios, experimenta ler 'World's End' T.C.Boyle (sim, o mesmo). bjs

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.