terça-feira, 4 de agosto de 2009

Os que escrevem

Os que escrevem nem sempre escrevem. Às vezes fazem outras coisas. Por norma fazem outras coisas. O autor e o narrador deste texto supõem que os outros, que fazem outras coisas, também escrevem. Os que escrevem nem sempre escrevem. Por vezes mascam pastilhas elásticas. Andam de comboio. Vão ao mercado. São iguais aos que fazem outras coisas, só que preferem escrever a fazer outras coisas. O autor deste texto, na verdade, prefere comer chocolate a escrever. O narrador não, gosta mais de escrever. Por vezes nem o autor nem o narrador escrevem, ficam a meio, entre o pensamento e a escrita. Por vezes a palavra é mais bonita entre o pensamento e a escrita. Por norma a palavra é mais bonita entre o pensamento e a escrita. Às vezes os que escrevem lêem o que os outros escrevem. Gostam do que os outros escrevem. Têm inveja do que os outros escrevem. Às vezes têm medo.
Uns escrevem mais que os outros, melhor que os outros, mais forte que os outros, mais opaco. Os que escrevem só têm isso em comum: escrevem. Nem todos os que escrevem são escritores. A maioria é outra coisa. Alguns são tradutores. Ou medíocres. Ou as duas coisas. Os que traduzem põem noutra língua o que os outros escrevem. Os que escrevem também viajam. Também compram pão. Também vão à livraria Galileu em Cascais comprar o último romance do José Eduardo Agualusa. Também vão à praia. E a Aveiro. No comboio. Alfa pendular. Os que escrevem nem sempre escrevem no comboio. Às vezes ouvem música. Ou lêem o que os outros escrevem. Ou fazem as duas coisas ao mesmo tempo. Outras vezes não fazem nada. Mascam pastilhas elásticas. Ou olham para a capa do último romance do José Eduardo Agualusa.
Os que escrevem têm medo. Da noite. Do dia. Do lobo mau. Dos cabelos negros do Agualusa. De Angola. Os que escrevem compram livros, mas nem sempre os lêem. Os que escrevem são iguais aos outros. Medíocres, pequeninos, invejosos. São iguais aos que fazem outras coisas, só que preferem escrever a fazer outras coisas. Só isso.
Tenho medo do José Eduardo Agualusa.

4 comentários:

buba disse...

Estou a ver que estás numa crise de identidade, ou auto estima,ou... sei lá! Não tenhas medo, vai em frente... mas podes comer chocolate, claro! (Não conheço o Agualusa mas vou conhecer...) bj... até breve!

Miuxa disse...

Barroco tropical é um romance que parece revelar podres mas afinal deixa ficar tudo na mesma. Acho que só foi possível escrevê-lo fora de Angola, se não me engano.
Já tinha ouvido na TV qualquer coisa sobre as crianças feiticeiras, mas passou despercebido.
Vivemos num mundo em que nem todos estão no mesmo nível evolutivo. Em termos de dignidade, compaixão e respeito pela Vida.
Não te deixes prender por quem está menos evoluído.
Come chocolate e ama os que te amam.

pessoana disse...

Buba e Miuxa, não se preocupem. Continuarei a comer chocolate. Bem como o autor e o narrador deste texto. Por uma questão de princípio, como é evidente!

Sara disse...

A tua escrita é como chocolate.
Um abraço.