quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

O último narrador

Esta folha está em contagem decrescente. 
É a última folha do último caderno do último dia do ano. 
O narrador deste texto também é o último narrador do ano, por isso poupa no papel, encolhe as asas e as letras. Tem poucas linhas, poucas palavras, pouca terra, pouca terra. 
O narrador deste texto está num comboio. 
Vem sentado à janela, claro. É um narrador contemplativo e sensível. Observa os pinheiros que passam, as casas que passam e pensa precisamente nisso: que tudo passa, todas as coisas de todos os dias, incluindo aquele avião ao longe, estas duas galinhas ao perto, certas dores por dentro. As dores também passam, o corpo passa, a alma passa. Somos passageiros do tempo. Andamos sobre rodas sobre carris sobre terra. O narrador decide dedicar a última folha do último dia a esta sua reflexão medíocre, mas felizmente um homem interrompe-lhe o texto. Pergunta-lhe: Deseja tomar alguma coisa? O narrador abana a cabeça antes de perceber a pergunta. Não, não deseja tomar nada, deseja só narrar o seu texto, mas este seu desejo também passa. O narrador passageiro está sem palavras na ponta da língua nem na ponta dos dedos. Tudo passa, a literatura passa, as palavras passam. A última folha do último dia suspira. O narrador busca inspiração na sua garrafa de água mineral natural Luso e regressa à janela pendular. Uma família de oliveiras passa ao longe e ao perto. São oliveiras muito bem comportadas, parecem militares camuflados. De vez em quando, o sol lança raios e coriscos à cabeça do narrador. 
A ponta dos dedos aponta para a folha. 
Próxima estação: Coimbra B. As pessoas estão muito alinhadas na estação, muito quietas. Parecem bonecos disfarçados de pessoas. 
A nuvem de um cigarro passa, a nuvem do céu também passa. 
O narrador boceja e logo a seguir apressa-se para chegar ao fim da última folha do último dia. 
Apetece-lhe fazer outra coisa qualquer. 
Por exemplo, ler. 
Por exemplo, dormir. 
Ler e depois dormir. 
O narrador deste texto não é um narrador a sério. 
É um narrador a fingir. Está só de passagem por aqui.
A última folha do último caderno chegou ao fim.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

The summer without men

Para combater o inverno, ando a enfiar a carapuça e a ler o The summer without men (Verão sem homens) da Siri Hustvedt.
A páginas tantas, a narradora cobriu-me de beijos.
Gostei.

But before I get to that, I want to tell you, Gentle Person out there, that if you are here with me now, on the page, I mean, if you have come to this paragraph, if you have not given up and sent me, Mia, flying across the room or even if you have, but you got to wondering whether something might not happen soon and picked me up again and are reading still, then I want to reach out for you and take your face in both my hands and cover you with kisses, kisses on your cheeks and chin and all over your forehead and one on the bridge of your (variously shaped) nose, because I am yours, all yours.
I just wanted you to know.


quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Festa do Planeta Tangerina

Olha, olha. No sábado, vai haver festa do Planeta Tangerina.
Dá logo vontade de fazer clap, clap!


Eu vou ficar por Bruxelas a bocejar na festa do São Nicolau.
Mas, se estivesse para os lados da Parede, passava pela SMUP para dar um pezinho de dança.